sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

"Tuba mirum" de Antonio Brasileiro

.
Não esperem por mim.
Fui-me, como todos. Não esperem.
Mas se esperarem, receiem
que eu chegue tarde. Em
não chegando,
acendam todas as luzes,
ponham Mozart no maior volume
e digam que fui poeta apenas, que isso basta

Como diz Ruy Espinheira Filho, no discurso de saudação a Antonio Brasileiro, quando da posse deste na  Academia de Letras da Bahia, "Vós sois, escritor Antonio Brasileiro, como todos os artistas, um fatalizado".O poema supracitado é tão impactante quanto a composição de Mozart ,que leva o mesmo nome. Escolha intencional do título do poema para mostrar que a condição do poeta é ser poeta, puramente poeta. Não se é artista por escolha. A arte, seja ela poética ou não, é condição dos que foram destinado a ela.

Leia o discurso completo aqui:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será lido.