terça-feira, 14 de junho de 2011

SONETO LEVE E AZUL FEITO DE MAR

(Gonzaga Leão)
Tens amada nos olhos exilado
o mar de aéreo azul. O aéreo gosto
de sal nos lábios e manhãs no rosto.
No mapa do teu ventre tatuado

continente do amor inusitado.
Esperanças nas mãos. Morno sol-posto
nos cabelos que acenam pelo gosto
marítimo do adeus de ser lembrado.

Por isso é muito fácil a quem te ama
reinventar teu mundo e o panorama
frágil da tua carne. Pois não deves

ser mais do que um vôo desenhado
no silêncio da praça e do telhado
das casas feito só de coisas leves.

O poema está no livro Artesanias da Palavra, publicação que reune cinco maraivilhosos/as poetas alagoanos/as.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será lido.