sexta-feira, 12 de maio de 2017

Para que serve a passagem dos anos?

        


 O mineiro Guimarães Rosa, sabiamente, afirmou que “O importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando. Afinam e desafinam.” Quanta beleza há nessas palavras! Quanta esperança nos trazem ao nos fazer crer que somos seres em transformação e que não há motivo para uma angústia irremediável diante de nossos desacertos. Afinal, qual a graça de uma vida linear? Qual o sentido de sermos sempre os mesmos, para o bem ou para o mal?
            Mudar de posição, de comportamento; mudar as atitudes e a forma de perceber o mundo não significa, longe do que muitos pensam, não ter personalidade. A persona que somos, ou que acreditamos ser, precisa abrir-se às experiências agradáveis e dolorosas pelas quais passaremos na vida, retirando delas as lições necessárias, a fim de que tudo seja aprendizado e não motivo para atitudes arrogantes ou desmedidas.
            A vida, assim como um instrumento musical, precisa de afinação. Só é capaz de afinar um instrumento quem dedica tempo suficiente buscando encontrar a nota certa. Ainda assim, depois de um tempo de uso, lá está o instrumento desafinado, exigindo nova atenção e cuidado. Do mesmo modo ocorre com a nossa existência, visto que, a cada ano, por mais que tentemos acertar, por mais que busquemos nossa afinação, volta e meia nos deparamos com a nossa capacidade de pôr tudo a perder.
            E o que fazer quando percebemos a nossa desafinação? Não há uma receita para viver. O que deve haver é uma predisposição para afinar a vida de acordo com aquilo que a própria vida insiste em nos ensinar. Há a afinação após um papo com um verdadeiro amigo, há uma afinação após uma dura verdade dita por quem não é tão amigo assim. Há a afinação após a perda de alguém que amamos, da leitura de um livro, depois de assirtirmos a um filme.
            São muitas as formas de ajustarmos a nossa persona, de repensarmos a caminhada sem ficarmos presos aos desacertos passados. A passagem dos anos deve servir, justamente, para não fincarmos os pés em situações que limitam o exercício de nossa humanidade, pois, como sugere o filósofo espanhol Fernando Savater, “Para ser homem não basta nascer, é preciso também aprender”. Dura aprendizagem, por sinal, mas, se assim não o for, apenas estaremos passando pela vida, sem sentir o gosto de ser o que se é no momento em que se sente. 

11 de maio de 2017           
           
           


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será lido.